O que mudou no trabalho de modelos infantis da década de 90 para agora?

Tudo evoluiu no mercado audiovisual: Inclusive o tratamento a modelos e atores

Na década de 90 o trabalho de modelos e atores era considerado degradante e de segunda linha. Atraia pessoas  sem a profissionalização do mercado, os jobs eram feitos sem o menor cuidado com modelos e profissionais envolvidos. Jornadas de trabalho exaustivas, sem horas extras e sem controle. Muita coisa mudou, para bem o para mal.

Claro que ver modelos trabalhando durante 12 horas seguidas sem ao menos um lanche era impraticável. Imagine para crianças. Muitas modelos começavam com 10-12 anos, como Gisele Bundchen começou. O mercado era tão amador, que as pessoas eram escolhidas em Shoppings e parques.

Grande parte dos produtores não se preocupavam com publicidade: usavam-na somente para financiar suas produções particulares ou que realmente lhe importavam. Os bicos eram constantes e por isso não havia um planejamento. Algumas produtoras foram montadas inclusive inteiramente com colegas de faculdade ou de mesa de bar, o que já era um termômetro do que podia se esperar

Hoje em dia até regras para modelos infantis foram acordadas para que se mantenha o bem estar de todos os envolvidos.

Trabalhos infantis foram regulamentados. Com isso ganharam limites delimitados. Devem ser informados todos os detalhes do trabalho a juízes e vara de menores. Dificilmente um teste demora mais de 3 horas para ser concluído, em alguns casos com alimentação sempre disponível.

Regras são feitas para melhorar o mercado; nós entendemos que foram muito boas para nossas crianças. Talvez um pouco intimidantes para alguns produtores por ter de lidar com leis, advogados, legislação (em relação as documentações para modelos de até 16 anos), mas são extremamente importantes para resguardar os menores e também os profissionais do mercado.

Inclusive a parte de pagamento de trabalhos, ao menos aos menores, foi ótima. Muitas mães reclamavam de não receberem os caches ou terem grandes atrasos nos pagamentos. Hoje se uma agência ou o contratante atrasam o pagamento ou não o realizam, o juiz é informado e toma as devidas medidas.

Podemos discordar de alguns pontos, sofrer com as criticas sem embasamento, mas temos certeza de que os “trabalhos infantis”de hoje são bem melhores produzidos do que os da década de 80-90. E claro que a perda de desenvolvimento de um ator ou modelo vai ser compensada pelo maior engajamento dos que fazem parte do audiovisual brasileiro. E assim todos ganham.